Pesquisar este blog

quarta-feira, 24 de julho de 2013



Um verdadeiro milagre diferenciou os destinos de dois jovens cearenses no último dia 20. Glauberto Rogério de Oliveira, 21, e Antônio Domingos dos Santos, 23,foram vítimas de acidentes de moto quase no mesmo instante. O primeiro saiu com vida e está internado no Instituto José Frota (IJF). O segundo, não teve a mesma sorte, e faleceu no local do choque entre o veículo que pilotava e um carro que seguia na contramão.

Glauberto registrou no Facebook agradecimentos a Deus, enquanto os dados de Antônio entraram para os índices de acidentes fatais de transporte envolvendo a população juvenil entre 15 e 24 anos no Brasil. De acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/CE), a cada dia, um jovem perde a vida no trânsito do Estado. Em 2012, foram 471 acidentes fatais. Em 2011, 436 mortes, em igual período. Um aumento de 8%. Nos dois primeiros meses de 2013 - janeiro e fevereiro - foram 67 falecimentos de pessoas nessa faixa de idade.

Mortalidade

O Mapa da Violência, do Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela), constata que em 21 anos a mortalidade juvenil em todo o País, tendo o transporte como principal vilão, cresceu 121,1%. Em dez anos, entre 2000 e 2011, o aumento foi de 47,5%.

A taxa de óbitos neste recorte da população é alarmante, diz o estudo. A cada 100 mil jovens, 27,7 morreram tendo o transporte como causa. "Há 21 anos, o trânsito liderava a mortalidade juvenil nos motivos externos. Hoje, os homicídios ocupam a primeira posição, mas não temos nada o que comemorar, pelo contrário", avalia o autor do estudo, Júlio Waisefisz.

Do total de acidentes fatais, aponta o médico Line Jucá, a moto aparece em primeiro lugar. De acordo com ele, a facilidade em tirar Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e a falta de fiscalização acabam influenciando diretamente o aumento no número de mortes. O Instituto José Frota (IJF), informa ele, não possui estatística por faixa etária, no entanto, pela sua experiência no atendimento na traumatologia da instituição, acredita que pessoas entre 18 e 40 anos de idade são as principais vítimas.

Média

Os dados do hospital são assustadores: por dia, em 2013, a média de atendimentos a vítimas de acidentes de moto, no IJF, é de 29 pessoas. Por mês, a média, neste ano, é de 886 pessoas acidentadas com motos. "É preciso fazer alguma coisa. Não podemos apenas ficar contabilizando números", frisa Jucá.

Já o comandante da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), coronel Túlio Studart, aponta motociclistas sem capacete e condutores sem habilitação. Esta combinação de infrações, dentre outras, mostra-se fatal em mais de 90% dos acidentes ocorridos nas estradas do Estado do Ceará.

Para ele, mais de 90% dos casos de acidentes no Brasil decorrem de falha humana, imprudência, negligência e imperícia. "E no Ceará, os números comprovam que a negligência dos motoristas é a principal responsável pelas vidas que são perdidas em acidentes nas rodovias estaduais", avalia.

Vítimas

De acordo com a base de dados da PRE, de janeiro a abril de 2013, 95,24% das vítimas que morreram em acidentes com motocicletas não usavam capacete. Ao todo, foram 63 mortes, das quais 60 vítimas não utilizavam o equipamento. Um total de 381 pessoas ficou ferida em acidentes envolvendo estes veículos, aponta o levantamento.

Já 9,99% dos acidentes registrados pela PRE envolveram condutores não habilitados guiando motos, carros e outros veículos. Em 1.191 ocorrências, 693 pessoas ficaram feridas. "O que demonstra o tamanho do absurdo", ressalta.

O sociólogo Eduardo Biavati, que é especialista em trânsito e consultor do Detran no Estado do Rio Grande do Sul, avalia a relação direta entre as tragédias no trânsito e a Previdência Social. Para ele, a pergunta é: "o que cada um de nós tem a ver com o ´fulaninho´ que tomba no trânsito? E eu digo: tudo", ressalta. Porque a tragédia do trânsito, analisa o especialista, tem uma idade para acontecer, e ela acontece justo na entrada da adolescência e início da vida adulta. "Só que esse adulto jovem vai fazer falta lá na frente. Porque nascem cada vez menos crianças", acrescenta.
Estado do tapajos
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação !

Aquivo deste blog