Pesquisar este blog

domingo, 21 de abril de 2013

Por causa do stress, tem gente do HMI tomando antidepressivo. São muitos os problemas da saúde pública municipal em Itaituba. E faz tempo que a população reclama.
Esses problemas parece que se agravaram no início do governo da prefeita Eliene Nunes, que não vem conseguindo manter, sequer, o nível do serviço prestado durante o governo de seu antecessor, Valmir Clímaco. Tem sido frequente a falta de medicamentos, tanto no Hospital Municipal, quanto nos postos de saúde, além de reclamações a respeito da falta de profissionais.

O médico Antônio Alvarenga, que por alguns anos prestou serviço no Hospital Municipal, disse ao Jornal do Comércio, que como profissional da saúde e como cidadão que vive em Itaituba, está preocupado, também, com outro problema que ele reputa como da maior gravidade, fato para o qual a imprensa não tem atentado: a situação de stress que enfrenta quem trabalha no HMI.

"Assim que cheguei a Itaituba, em 2004, comecei a trabalhar no Hospital Municipal. Eu sei dos problemas que existem ali. De 2004, até hoje, não mudou quase nada nesse hospital. Se hoje chega um paciente com traumatismo craniano, o mesmo procedimento que se fazia em 2004, faz-se hoje. Não há suporte, não existe medicação para aplicar no paciente. Mesmo com a chegada da Gestão Plena da Saúde não mudou nada, excetuando o SAMU.

Outra questão grave, muito grave, diz respeito à sobrecarga de trabalho dos profissionais. Colegas médicos que tiram plantão no Hospital Municipal também tem que atender nos postos de saúde. Tem casos em que o médico dá plantão pela manhã no HMI, à tarde atende em um posto de saúde e de noite tem plantão no Hospital Municipal. Ora, numa cidade de aproximadamente 100 mil habitantes, que ainda atende as pessoas que vem do interior, bem como de outros municípios, tem apenas cinco médicos plantonistas no Hospital Municipal. Isso é um absurdo. 

Some-se a isso o fato de quem trabalha no HMI não ter segurança nenhuma. Os colegas ficam expostos. Já aconteceram casos de técnicos serem agredidos. Eu mesmo passei por essa desagradável experiência de ser ameaçado, tendo que registrar Boletim de Ocorrência por tentativa de agressão. Além disso, ainda tem o problema da redução dos salários, que no governo passado eram um valor, os quais foram reduzidos no começo do atual governo. 

Eu não me meto em política e não estou querendo falar bem do governo do Valmir, nem falar mal do governo de Eliene. Estou apenas dando conhecimento para a sociedade, da dura realidade que os profissionais da saúde enfrentam. Até onde eu sei, o salários dos médico não foi mexido. Mas, uma equipe de saúde não é composta somente por médicos. Técnicos que ganhavam R$ 1.460,00 tiveram o salário reduzido para R$ 1.000,00. Diminuíram o número de funcionários e reduziram salários. O resultado é a queda na qualidade do atendimento, que já era problemático. Instalaram várias câmeras no Hospital Municipal, não sei a que custo, enquanto o aparelho de Raio-X está quebrado".

Alvarenga continua a conversa com a reportagem dizendo:"Houve uma redução no número de pessoas que atendem. Antes eram três técnicos que atendiam na frente, enquanto agora são apenas dois. Isso faz com as pessoas que tiveram seus salários reduzidos trabalhem mais, e insatisfeitas. Antes era diferente. Quando eu cheguei e durante um bom tempo a gente sentia segurança para fazer o nosso trabalho, porque a equipe trabalhava satisfeita. Eu fui informado de que alguns servidores mais experientes pediram transferência do Hospital Municipal para postos de saúde por causa do stress. A consequência mais cruel disso é que tiveram que colocar um grande número de novatos, que precisam do apoio dos mais experientes para desenvolverem seus conhecimentos. O certo seria haver um médico atendendo na frente e outro atrás. E eu não vejo perspectiva de melhora nisso".

Na parte final da entrevista o médico faz uma afirmação grave: "Eu conheço casos de colegas que trabalham no Serviço de Saúde Pública de Itaituba, os quais estão tomando antidepressivo para combater o stress da carga de trabalho e da pressão que sofrem. Para se tentar resolver isso, é necessário que sentem a secretária de saúde, o Sindsaúde, o Conselho Municipal de Saúde, médicos e outros profissionais da saúde. 


Do jeito que está, o Hospital Municipal, não só, não tem condições de atender à demanda, como vai continuar sem as condições necessárias. A gente vai ter um grande aumento na demanda com a chegada dos portos e das hidrelétrica, e nós não estaremos preparados, nem nos preparando para encarar tudo isso. A sociedade civil organizada de Itaituba, quem tem um plano de saúde, ou se não tem, pode pagar por um atendimento médico não tem prestado atenção a isso tudo. A maioria da população, que é quem precisa desse atendimento, faz apenas reclamações esporádicas. 

Eu estou falando apenas do básico, do atendimento do dia a dia. Temos a questão dos especialistas, dos quais a população mais carente tanto precisa, mas, não tem contado com eles. E eu faço questão de ressaltar, que não estou querendo apontar o dedo para quem quer que seja. Não estou buscando culpados. Minha única intenção é levantar essa discussão, com responsabilidade, para que a gente encontre a solução adequada que atenda aos interesses da população, sobretudo aquela que mais precisa do serviço público de saúde, no caso, o serviço prestado pelo Hospital Municipal de Itaituba, que é o reflexo da saúde no município", finalizou o Dr. Antônio Alvarenga.


Fonte: http://nortonsussuarana.blogspot.com.br/http://jotaparente.blogspot.com.br/
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação !

Aquivo deste blog